sm-psicooncologiaA Psicologia tornou-se aliada indispensável em tratamentos de demanda oncológica. Isso porque os aspectos emocionais são extremamente abalados diante do diagnóstico inicial do câncer.

Geralmente após a negação, tanto paciente como familiares vivem o sentimento de impotência e o medo do desconhecido.
Com o passar do tempo, e o estágio em que se encontra a doença, outros sentimentos se agregam, como a raiva, a culpa, o arrependimento, compaixão, entre outros,  e o humor oscila junto com esses sentimentos. Tudo isso traz como consequência a desordem mental, pois são vários sentimentos e humores experimentados em um curto período de tempo. Essa desordem mental compromete os pensamentos, comportamentos e decisões. Assim, as atividades praticadas pelo paciente/familiar ficam seriamente prejudicadas. A vida passa a girar em torno da doença.

Portanto, é nessa hora, que o paciente ou familiar necessita de ajuda psicológica, sem constrangimento, nem preconceito. O psicólogo certamente o ajudará a atravessar esse momento com menos sofrimento e maior esclarecimento.
A psicoterapia equilibra o nível de ansiedade e estimula a motivação pela vida. Com acompanhamento terapêutico, há melhora significativa no relacionamento interpessoal, principalmente familiar; Aumenta a autoestima; Ajuda a desempenhar os papéis sociais com dignidade e qualidade de vida; Organiza os pensamentos, consequentemente o desempenho das atividades. Em terapia, você exercita o autoconhecimento e alarga seus limites, amplia sua visão, descobre que há sempre mais alternativas do que está habituado.

A Psicoterapia ajuda até mesmo a equipe médica que acompanha o caso, visto que se combatem mitos, reduzem-se as resistências, e cria-se um elo de cooperação e confiança entre paciente-família-equipe médica, que aderem ao tratamento com maior facilidade e conscientização.

Somente as pessoas capazes de amar profundamente podem também sofrer uma grande desilusão. Essa mesma capacidade para amar serve para neutralizar seu luto e curá-las.
Tolstoy